nav-left cat-right
cat-right

Alberto Martinez

No último ano, antes do vestibular, o então estudante Alberto Martinez tinha a certeza de que seu futuro era cursar a Escola Politécnica em São Paulo. Junto com dois colegas, que tinham o mesmo objetivo, estudava com entusiasmo. No Ginásio do Estado, era um excelnte aluno de matemática. Perto do vestibular, porém, o três amigos resolveram seguir destinos completamente diferentes do planejado. Martinez decidiu ser médico.

Em 1935, ele iniciou o curso pré-médico, com duração de doisanos, para então prestar o vestibular definitivo. Ao ingressar na Faculdade de Medicina, ainda não tinha idéia sobre a especialização que seguiria. Para se sustentar, passou a dar aulas em cursinhos sobre a História do Brasil. Também montou apostilas, utilizando-sedos conhecimentosde taquigrafia. “Perdi meu pai cedo. Tive de me virar. Trabalhava de madrugada fazendo apostilas”, recorda-se.

Acompanhado de um colega, Martinez assistiu a um parto. Ficou maravilhado ao ver a criança nascer. Pronto, na hora resolveu que queria ser obstetra. “Ver aquela criança nascer, foi uma das coisas mais belas e emocionantes da minha vida”, comenta. Ao se formar, em 1942, trabalhou como médico interno no Hospital das Clínicas, durante 3 anos. Também atendia em um consultório junto com o irmão, que era clínico geral. Em 1947, iniciou a carreira de docente na USP. Lecionou obstetrícia durante 10 anos, antes de ser convidado a fazer parte do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, em 1958, sendo o primeiro professor titular da cadeira.

Foi também o último professor catedrático da instituição. Na USP, o professor assumiu diversos cargos importantes, entre eles, o de diretor da Faculdade de Medicina e da Escola de Enfermagem. Chegou também a ser pró-reitor.

Martinez aposentou-se em 1984. Casado desde 1947, o médico tem 4 filhos, todos formados na área médica. Alberto Júnior é médico nos EUA, Francisco professor de pediatria na USP, Yolanda, professora de enfermagem na USP e a mais nova, Consuelo, é enfermeira padrão.