nav-left cat-right
cat-right

DA PEDRA AO VIRTUAL – NUM MUNDO TECNOLOGICAMENTE CONECTADO

DA PEDRA AO VIRTUAL – NUM MUNDO TECNOLOGICAMENTE CONECTADO

DA PEDRA AO VIRTUAL – NUM MUNDO TECNOLOGICAMENTE CONECTADO


O que é uma aula? Tradicionalmente, é o horário de estudo, de exposição, de abordagem de um tema ou conteúdo, em que se objetiva uma aprendizagem. Pode ser realizado dentro ou fora do espaço de uma escola, em qualquer ambiente. Pois bem, com a mobilidade tornada possível pelos aparatos tecnológicos: tablet, ipad, iphone, etc, esse espaço se tornou indefinido. Pode ser no ponto de ônibus ou dentro do ônibus, pode ser no metro, na praça (onde os gregos antigos já faziam suas preleções e debates). Enfim, parece que aprendizagem se conectou com a mobilidade e nossas aulas tradicionais, por mais dinâmicas que possam nos parecer, se tornaram enfadonhas para uma grande parcela de jovens estudantes. Temos de reaprender a planejar uma aula.

Um recorte histórico nos faz lembrar que os três professores que mais influenciaram a humanidade nada escreveram, apenas e simplesmente se comunicavam verbalmente, principalmente através de metáforas e questionamentos, isto é, estimulando o raciocínio. A força do pensamento, mensagem e ensinamento de cada um deles, permanece e influencia (por mais de 2500 anos) o mundo até hoje. Sócrates  (470 – 399 a.C.) = o diálogo. Buda (563 – 483 a.C.) = a compaixão. Jesus Cristo (c.6 a.C. 30 d.C.) = o amor ao próximo. Não tinham salas de aula, nem tecnologia, falavam diretamente ao seu público e seguidores, e conheciam absoluta e convictamente o que faziam e do que falavam.

O que é uma sala de aula? Retomamos a idéia do espaço, agora, circunscrito, fechado, se a escola era “o templo do saber”, a sala de aula era “a capelinha”. Rudimentar, da pedra ao quadro negro, o que não evoluiu muito. Do quadro negro para o verde, ainda com giz, ou pedra lascada. Hoje, com a lousa eletrônica, espaço virtual, projeção em três dimensões. Mas ainda temos escolas que tem computadores, mas não tem conteúdos digitais, tem textos digitados. Temos inúmeras escolas que não tem computador.

O que é um professor? Assim caminhamos para a questão intrigante que nos interessa profundamente: o que é um professor hoje? Fica a possibilidade e a provocação. Uma pessoa engajada no seu tempo, sem os ranços de pensar “no meu tempo é que era bom”. Formação acurada e ampliada, evoluindo da pedra para o virtual, mantendo a interação individual e a coletiva, vez por outra pessoalmente, via internet, via satélite, por vezes simultaneamente. O separador da informação quantitativamente absurda, da informação qualitativa para o trabalho educativo, formativo.

Ninguém sabe tudo. Todo mundo sabe alguma coisa. Conhecer é viver. O formalizado vai para alguma plataforma, impresso, digital, é comunicado.

Deparamos-nos com um problema: muitos professores querem fórmulas, isto é, receitas. Num treinamento de professores, uma Professora e Coordenadora Pedagógica muito competente disparou o trocadilho: “for – mula = para mulas”, “eu trabalho com professores”. Não produzem, não ousam, não estudam, não transformam, não criam. Apenas copiam e reproduzem. Participei  de um treinamento de professores que o julgamento do palestrante, com um nível de detalhamento e contextualização muito interessante e abrangente, foi rotulado de lento, muito devagar. Muitos dos presentes queriam um show, estão acostumados com o treinamento na modalidade espetáculo circense ou televisivo.

Quando hoje nos inserimos na EAD, fico pensando o que será desses profissionais. Mahatma Gandhi (1869-1948), segundo exposição do Prof. Fredric Lito (ECA-USP), residindo na África do Sul, fez o curso de Direito em Londres, por correspondência, numa época em que o navio demorava dois meses para ir e mais dois meses para voltar. Posso pensar também nos estudantes, nos instantes em que a rede cai, por segundos ou minutos, o quanto aumenta de impaciência…

Enfim, provoco a reflexão:

- o que é uma aula hoje?

- o que é uma sala de aula hoje?

- quem é o professor hoje?

 

LUIZ CARLOS MORENO – Pedagogo. Especialista em Educação. Filosofia e Recursos Humanos. Membro da Academia Ribeirão-pretana de Educação – ARE, cadeira 17. Presidente 2010-2012. Professor no Centro Universitário Barão de Mauá. Consultor de Desenvolvimento Humano. E-mail: lcmoreno@uol.com.br

 

(artigo publicado na revista Gestão Educacional, ISSN 1984-851X, Humana Editorial, Curitiba, PR, setembro/12, ano 08 nº 88)

Comentário fechado.